A Condição Indestrutível de Ter Sido – Helena Terra

01/08/2013

A Condição Indestrutível de Ter Sido. Que título incrível, não? Como costumam dizer por aí: poético. Aliás, o livro inteiro é permeado pela linguagem poética de Helena Terra; uma linguagem destituída daquele romantismo utópico tão comum. Talvez por ir contra a corrente do amor romântico da forma como é comumente mostrada – uma força arrebatadora que tudo suporta, que se mantém sempre firme e inabalável ante a vida e suas dificuldades – que A Condição Indestrutível de Ter Sido foi surpreendentemente tão bom.

Confesso que fui imediatamente fisgada pelo título e, afinal, como poderia ser diferente? A Condição Indestrutível de Ter Sido. Perdi as contas de quantas vezes já o repeti e então repeti mais uma vez, mas o que posso fazer se ele me soa sempre tão bonito e tão triste?


A protagonista desta história ama um alguém, o Mauro, o Mau, e ao se jogar sem reservas nesse amor o expõe de maneira tão real. Mostra que o que acontece por dentro de um ser já alquebrado ao se apaixonar perdidamente por outro, não tem nada da elevação da alma que (tentam) nos fazer acreditar. A coisa real é bem diferente e a desilusão é ainda mais incisiva. Não queria usar do clichê “em um relacionamento um sempre gosta mais...”, mas em partes acho que se enquadraria aqui. Em partes porque esse relacionamento já estava fadado ao fracasso, mas a nossa protagonista cuidava e regava suas esperanças de um futuro em comum com o Mau. Era “a que gostava mais”. Ou mais propriamente a única.

“Criei para nós um céu de palavras e o habitei com uma atmosfera carregada de esperanças e de verbos. A esperança e o verbo eram o meu ar, as minhas nuvens, o meu amor.” (p. 21)
“Eu, sempre tão controlada, metódica, cândida; eu, sempre tão deformada, disforme, naufragada em covardia, havia rompido comigo mesma e ido em frente, me movido dentro de mim para alcançá-lo. E havia sido em vão.” (p. 28)

A Condição Indestrutível de Ter Sido trata da desilusão, da tristeza pungente da personagem que se vê sozinha e abandonada num saguão de aeroporto, que mesmo “defeituosa” e alquebrada se entregou a um amor, mesmo que o ter-se entregue por inteiro a outro alguém a tenha destruído. Ela não soube “locomover-se para fora de si e se bipartir dentro de outro alguém sem se desmanchar”.

Mas, afinal, será que alguém é capaz de bipartir-se dentro de outro alguém e, ainda assim, manter a outra parte ilesa? Certamente eu não conseguiria, e não conheço ninguém que tenha sido capaz de realizar tamanha “proeza”. Renato Russo dizia: “Se o amor é verdadeiro não existe sofrimento.” Francamente, eu não poderia discordar mais. Essa visão de amor definitivamente não é a minha. Eu acredito mais na vontade de “gritar o quanto doía a indestrutível condição de ter sido por alguém um amor perdido”.

8 comentários:

  1. Taci,

    estou louca por esse livro! Desde o dia que você postou uma parte dele! Ele já tá na fila de próximas compras! :)

    Beijinhos e ótima resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Babi, assim que puder, leia sim! Vale muito a pena. Beijos e muito obrigada! =)

      Excluir
  2. Linda sua resenha. Sinto no fundo da minha alma a necessidade de ler esse livro. Acho que irei me identificar muito com a personagem descrita. Coisas do coração, quem controla? Quando vc se biparte por uma pessoa, a parte cedida se perde quando esta vai embora e vc vive assim incompleto e perdido até encontrar uma parte semelhante em outro ser, que claro não será substituível, mas permitirá que a completude. Infelizmente o que ama mais, é o que cede mais, sofre mais, e vive mais tempo incompleto e machucado. Parabéns pela resenha, bjus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivi, tem toda a razão! Acredito que você iria gostar bastante desse livro. Beijos e obrigada, viu? =)

      Excluir
  3. Obrigada :)
    Fico muito feliz que você tenha gostado do livro.
    Um grande beijo!
    Helena Terra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena, eu que agradeço pelo livro incrível! Beijos!

      Excluir
  4. O título é lindo! Adorei a resenha e me tocou profundamente, com certeza entrou pra minha wishlist. Eu sinto que irei amar o livro - e muito!
    Enfim, ótima resenha!
    http://literallypitseleh.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O título é incrível mesmo, não? Curti de graça. Obrigada, Schrotz. =)

      Excluir

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS